quinta-feira, 22 de junho de 2017

Frase do dia

Todo o segredo da arte da guerra reside na capacidade de se tornar mestre na arte da comunicação.  
Napoleão (Chessgame.com)

terça-feira, 20 de junho de 2017

Fier brilha no Continental!

Fier, em foto do seu Facebook, comemora sua
classificação para a Copa do Mundo!
O GM brasileiro Alexandr Fier conseguiu sua 5ª classificação seguida para a Copa do Mundo de Xadrez, que, este ano, vai acontecer em "sua casa", no mês de setembro, em Tbilisi, na Geórgia, local onde Fier mantém residência. Sua participação no Continental da Colômbia foi mesmo notável! Foram 11 rodadas, nas quais Fier obteve 4 vitórias iniciais, seguidas de 5 empates, após o que sobreveio 1 vitória e, na última rodada, 1 empate contra o GM Eduardo Iturrizaga (COL - 2663), o pré-ranqueado número 1 da prova e melhor Elo FIDE da América do Sul, na atualidade! Com essa campanha invicta, Fier terminou a prova na 9º colocação, com 8 pontos, e garantiu lugar, junto com mais 5 jogadores com igual pontuação, na disputa pela última vaga da Copa do Mundo, ainda em aberto, na ocasião. Todos partiram para o torneio de desempate, no ritmo de 15'+10''. Após as 4 rodadas iniciais, Fier somava 3 pontos (2v, 2e) e dividia a liderança contra ninguém menos do que Iturrizaga! E qual era o confronto da tabela na última rodada? Exatamente Fier x Iturrizaga! Uma legítima decisão pela última vaga da Copa do Mundo! Deu Fier! Assim, o brasileiro terminou invicto também no torneio de desempate, coroando de extremo êxito sua participação no Continental e garantindo vaga de mais um brasileiro no cobiçado evento internacional da Geórgia, que terá ainda o GM Felipe El Debs, classificado no Zonal 2.4, ocorrido em Florianópolis, no último mês de abril. Foi mesmo um torneio brilhante de Fier, que, certamente, guardará na memória esse seu grande feito em terras colombianas! Confira aqui a partida final de desempate entre Fier e Iturrizaga, obtida do site do GM Rafael Leitão. Parabéns a Alexandr Fier por essa brava conquista e muito boa sorte na Copa do Mundo!

Brasileiros no Continental

GM Samuel Sevian (centro) 16 anos,
vencedor do Continental 2017
Tivemos 12 participantes do Brasil na XII edição do Continental deste ano, na Colômbia e que contou com 256 jogadores. Na classificação geral, o vencedor foi o norte-americano GM Samuel Sevian (2601) que somou 8,5 pontos em 11 possíveis. 

Vejamos a relação dos brasileiros:


GM Alexandr Fier
09 - GM Alexandr Fier - 8,0
21 - GM Krikor Mekhitarian - 7,0
46 - MI Roberto Molina - 7,0
47 - MI Cesar Umetsubo - 7,0
73 - MF Alvaro Aranha - 6,5
80 - MI Renato Quintiliano - 6,5
104 - MF Luismar Brito - 6,0
126 - Milton Okamura - 5,5
133 - MF Martins Madeira - 5,5
149 - WMF Suszana Chang - 5,0
229 - Elias Moises - 3,5
232 - MF David Borensztain - 3,5


OBS: O paraibano MF Luismar Brito perdeu 23,6 pontos no seu ELO, e o carioca MF David Borensztain foi o que mais perdeu: 77,4 pontos. 

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Poema Xadrez

Por Selma Araújo

É um jogo antigo na história
Que nos faz parar, calcular e pensar
Muito bom para ativar a memória
Pra toda idade, para o cérebro ativar.

Minha gente experimente jogar xadrez
Você nunca mais vai querer parar
É um jogo que todo mundo tem vez
É bom para o raciocínio ...
Estimula o cérebro que ameaça parar.

domingo, 18 de junho de 2017

Citação do dia!

"A arma mais poderosa no Xadrez é ter o próximo movimento!" - David Bronstein 
(Fonte: Chessgames.com)

Perder para aprender!

Não é balela, é fato. Um dos jogadores mais respeitados da história do xadrez, chama-se José Raul Capablanca. Pois bem, vejamos o que ele disse:
"Nenhum livro ou professor pode, por si só, ensinar a jogar. O livro, como o mestre, só pode assinalar o caminho a seguir. O estudante, por sua parte, tem que concentrar todo o seu esforço e atenção possíveis. A prática e a experiência farão o mais. Os que desejam adiantar devem sempre estar dispostos a jogar e a perder. Em geral, aprende-se mais nos jogos que se perdem do que nos jogos que se ganham".

Livro, gênio e máquina!


II Ativo Junino 2017


Participantes, dirigentes e convidados do II Ativo Junino 2017 no Clube de Xadrez Miramar

Foi realizado na tarde de sábado passado. no Clube de Xadrez Miramar, o II Torneio Ativo Junino 2017, com a presença de 16 jogadores, no sistema suiço de 6 rodadas com 15 minutos nocaute. O torneio, que contou com a direção de Fernando Melo, arbitragem de Fabiano Andrade de Araujo e coordenação do MF Francisco Cavalcanti, teve como vencedor Jailson Maranhão, que somou 5,5 em 6 pontos possíveis. Completaram o pódium. Ednaldo Moreira com 4,5 e Genivaldo  Oliveira com 4 pontos. Todos receberam medalhas,
Os demais classificados foran:  4/5 - Luciano Galdino e José Mario Espínola, 4 pontos; 6/9 - Edson Loureiro, Claudionor Henriques, Genildo Gomes e Petrov Baltar, com 3,5 pontos; 10/11 - Alexandre Teixeira e Felipe Guedes, com 3 pontos; 12/13 - Waldemiza Gurgel e Mirra Mariana com 2 pontos/ 14/15 - Eny Nobrega e Severino Targino, com 1 pontos; 16 -Túlio Santos não pontuou.
O Clube de Xadrez de Miramar está de parabéns. Estivemos presente e sentimos a evolução de providências necessárias para o bem estar dos frequentadores, entre sócios e convidados. Parabéns à primeira dama do Clube, Lili Cavalcanti, pelo diversificado lanche que ofereceu aos participantes, como também parabéns pela excelente arbitragem de Fabiano Andrade. O dirigente MF Francisco Cavalcanti me confidenciou que está providenciando o banner do Clube.
Lembramos que no próximo fim de semana o Clube estará fechado por conta das Festas Juninas, voltando ao normal no próximo dia 30, sexta-feira.  (FM) 
MF Francisco Cavalcanti com o Pódium
Jailsosn Maranhão recebe a Medalaha de Ouro
Ednaldo Moreira a de Parata
Genivaldo Oliveira a de Bronze

sábado, 17 de junho de 2017

Aronian vence o Norway Chess!

Fonte: site oficial do evento


Terminou nesta sexta-feira o Altibox Norway Chess, na cidade de Stavanger, no norte da Noruega. Celebrado como um dos maiores torneios da história do xadrez, o evento contou com 10 dos 12 jogadores melhores ranqueados do mundo, chegando a ser planejado para receber os Top Ten da FIDE, mas as variações do Elo até o início do evento, fez com que 2 dos participantes não ocupassem a dezena dos primeiros lugares do xadrez internacional. Ainda assim, o Elo médio atingiu a incrível marca de 2797 (!), um número realmente magnífico, que impressiona a nós outros, meros mortais do reino de Caíssa. 

Foram distribuídos 249.000 euros, distribuídos entre todos os 10 participantes, cabendo 70.000 euros para o campeão, 40.000 euros para o vice-campeão e 25.000 euros para o terceiro lugar.

Como não podia deixar de ser, a competição foi equilibrada, com nada menos do que 76 empates, em 90 partidas jogadas! Contudo, não se pode dizer que não houve luta, pois, segundo o Regulamento do torneio, não era permitida a oferta de empates entre os contendores, o que levava as partidas para a definição do resultado no próprio tabuleiro.

O campeão foi o armênio Levon Aronian, que confirmou a boa fase, sagrando-se campeão invicto, com 3 vitórias e 6 empates, somando assim 6 pontos em 9 possíveis. Não custa lembrar que Aronian também vencera em abril último o também estelar evento Grenke Chess Classic, na Alemanha. 

O outro invicto da prova da Noruega foi Wesley So, que empatou nada menos do que todas as suas 9 partidas! Nakamura terminou em segundo lugar, com 5 pontos e Kramnik em terceiro também com 5 pontos.

O destaque negativo foi, sem dúvida, o anfitrião e atual campeão mundial, Magnus Carlsen! Principal estrela do evento - aparecendo inclusive em destaque no folder oficial do torneio, em meio aos outros ilustres participantes - o norueguês não atendeu as expectativas, mesmo depois de vencer de forma categórica o certame prévio de blitz, que serviu para definir as posições do torneio principal de clássico. Nesse evento inicial, Carlsen somou incríveis 7,5 pontos em 9, abrindo 2 pontos de vantagem para Nakamura e Aronian, segundo e terceiro, respectivamente. 

No evento principal, todavia, o campeão mundial, que recentemente vem usando um óculos nada discreto, amargou apenas a penúltima colocação, voltando a repetir o fiasco do Norway Chess de dois anos atrás. Ele perdeu 2 partidas, empatou 6 e venceu apenas uma, contra seu rival mais recente na luta pelo título mundial, o russo Karjakin. Não deixa de causar furor, o fato de que os atuais campeão e vice-campeão do mundo ocuparam as duas últimas posições do torneio! 

A propósito, afora Wesley So, que como vimos empatou todas, Karjakin foi o único que não conheceu o sabor da vitória nesse torneio de estrelas do xadrez mundial.

Sobre as partidas, vale destacar a vitória de Aronian sobre Carlsen, na quarta rodada, que vem sendo cotada para a melhor partida do ano! Com sacrifícios de material e lances precisos, o armênio superou o norueguês, cuja resistência rigorosa também contribuiu para valorizar ainda mais esta bela produção enxadrística. Confira aqui a partida, extraída do site do GM Rafael Leitão.

Em decorrência do resultado final do Altibox Norway Chess 2017, Carlsen perdeu pontos no Elo e, mesmo mantendo a liderança do ranking mundial, vê seus adversários aproximarem-se perigosamente dele. Se considerarmos apenas esse evento, temos Carlsen agora com 2822 pontos, seguido de perto por Kramnik (2811), Wesley So (2810), Aronian (2809) e Caruana (2806). 

A seguir, mostramos a classificação final do torneio.

Fonte: Site Chessbase

sexta-feira, 16 de junho de 2017

História dos Interzonais

Por FERNANDO MELO

Um dia, talvez em outra reencarnação, eu venha a escrever um livro que fale dos Torneios Interzonais, Seria prazeroso lembrar com detalhes o Interzonal de Palma de Mallorca (Espanha) 1970, o de Manila (Filipnas) 1976, para citar apenas dois de tantos outros.

GM Davod Bronstein ganhou Inerterzonal em 1948 e 1955
Tudo começou em 1948, com o Primeiro Interzonal - Salfsjobaden (Suécia), ganho por David Bronstein, com 13,5 pontos em 19 possíveis. 

O Segundo Interzonal foi realizado em Estocolmo (Suécia), em 1962, e o vencedor foi Alexander Kotov, com 16,5 pontos em 20 possíveis.

O Terceiro Interzonal teve a cidade de Gotemburgo  (Suécia) no ano de 1955; O russo David Bronstein somou 15 pontos em 20 possíveis e foi o vencedor.

O Quarto Interzonal foi no ano de 1958, em Portoroz (Eslovênia), com Miguel Tal saindo-se vencedor com 13,5 pontos em 20 possíveis.

O Quinto Interzonal realizou-se em Estocolmo (Suécia), ganho por Bobby Fischer no ano de 1962. e somou 17,5 pontos em 22 possíveis.

O Sexto Interzonal foi realizado em Amsterdam (Holanda) no ano de 1964, tendo Bent Larsen como vencedor, que somou 17 pontos em 23 possíveis.

O Sétimo Interzonal teve como sede a cidade de Sousse (Tunísia) em 1967, e mais uma vez Bent Larsen foi o vencedor, com 15,5 pontos em 21 possíveis.

  (CONTINUA)

quinta-feira, 15 de junho de 2017

O legado de Eduardo Asfora!

Por FERNANDO MELO

Os caissianos de Pernambuco certamente estão orgulhosos do legado deixado pelo saudoso Eduardo Asfora. Não tive a felicidade de conhecê-lo, mas me inspiro na personalidade do seu sobrinho MF Marco Asfora, para sentir o quanto aquele deixou para este a herança de um xadrez competitivo, responsável e produtivo. O sobrinho seguiu os passos do tio com honra e dignidade.

E aqui lembro, com sinceridade, o trabalho de Fernando Sá, na Paraíba, e de Igor Macedo, no Rio Grande do Norte, que da mesma forma honram e dignificam a herança dos seus pais, já que os "velhos" estão mais para jogar do que mesmo dirigir, transferindo esta missão para os mais "novos".

Eduardo Asfora era odontólogo e nasceu na cidade do Recife no dia 5 de agosto de 1924, vindo a falecer aos 65 anos, no dia 8 de novembro de 1989. Pontificou no xadrez nacional nas décadas de 50, 60 e 70, sendo vice-campeão brasileiro nos anos de 1950, 1962 e 1971, e 15 vezes campeão do seu Estado.

Segundo seus contemporâneos, Eduardo Asfora nas partidas de blitz, "tirava leite de pedra e sua seta nunca caía".

Acredito que o seu maior feito foi sua vitória  no PanAmericano de 1971, em Tucuman, Argentina, frente ao GM Miguel Najdorf. 

Escrevendo este artigo, me veio à lembrança o maior tribuno da Paraíba, o saudoso campinense Raymundo Asfora, primo de Marco Asfora. Certa vez, na minha juventude, assisti a um comício político na Lagoa, que estava lotada. Naquele tempo não tinha televisão e os comícios em praça pública eram uma festa popular de muita aceitação. E a certa altura, num rasgo de amor à sua terra, disse Raymundo Asfora, de forma pausada e firme: "João Pessoa, Campina Grande não tem inveja de tí!", e os aplausos emocionados do povo eclodiu por alguns instantes, coroando de glória o orador da tribuna!

quarta-feira, 14 de junho de 2017

Momento histórico!

Vai ser difícil esquecer esse momento, em que com a seta caindo, jogava com o universitário potiguar Jonnas Nikolas  a última partida da última rodada do Aberto de Natal, na tarde do dia 4 (domingo) de junho de 2017; Minha posição era perdida, mas como tinha a Dama ativa e o Rei branco exposto, fiquei dando xeques seguidos, até que meu tempo acabou. (FM)